Ir para conteúdo principal

Fórum sediado no TRT-2 discute questões relativas a auditoria e controle interno

Fórum sediado no TRT-2 discute questões relativas a auditoria e controle interno

Com o objetivo de capacitar os servidores lotados nas áreas de auditoria e controle interno dos tribunais, do Ministério Público e dos órgãos de controle externo, teve início nesta quarta-feira (16) o IV Fórum de Boas Práticas de Auditoria e Controle Interno do Poder Judiciário. Neste ano, o evento ocorre na capital paulista, no auditório do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, na Barra Funda. A duração é de três dias, terminando na tarde de sexta-feira (18) – clique aqui para ver toda a programação.

“A realização deste fórum demonstra não só o sucesso das três primeiras edições, mas a importância de fazermos uma reflexão a respeito dessa matéria em um momento em que a sociedade nos cobra cada vez mais transparência e eficiência”, afirmou o presidente do TRT-2, desembargador Wilson Fernandes, durante a abertura do encontro.

20180516 IV Forum de Boas Práticas Destaque Interno

A primeira palestra foi sobre o tema “Auditoria como Ferramenta de Combate à Fraude e Corrupção”, proferida por Rafael Jardim Cavalcante, secretário da Secretaria de Relações Institucionais de Controle no Combate à Fraude e Corrupção (Seccor) do Tribunal de Contas da União (TCU). O palestrante ponderou que a corrupção nada mais é do que beneficiar a si mesmo em detrimento da organização. “O combate à corrupção é um papel de todos nós”, afirmou.

Embasado em pesquisas recentes, mostrou que para 21% dos brasileiros o principal problema do país é a corrupção. E que, no Brasil, é alta a percepção de corrupção e de que os governos não atuam adequadamente nesse combate. “Nós também somos governo”, alertou o palestrante. Segundo Rafael, o combate à fraude e à corrupção deve contemplar três fases: detecção, punição e prevenção. “O grande papel da auditoria interna é a prevenção”. Expôs a importância da parceria entre os órgãos, para que cada um aumente seu rol de informações e, assim, possa ser ampliada também a punição dos malfeitores.

O representante do TCU orientou os participantes a diminuir a burocracia dos processos classificados como de baixo risco e intensificar o controle daqueles que se mostram como de alto risco. “Devemos manter sempre o entusiasmo e a honestidade de propósitos para melhorarmos a organização onde trabalhamos e, por consequência, nosso país”, finalizou.

O IV Fórum de Boas Práticas de Auditoria e Controle Interno do Poder Judiciário é uma realização do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), por meio da Escola Judicial do TRT-2 (Ejud-2), do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) e do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJMSP).

Compuseram a mesa de abertura do evento os desembargadores Wilson Fernandes, presidente do TRT-2; Carlos Eduardo Cauduro Padin, presidente do TRE-SP; Luís Francisco Aguilar Cortez, representando o presidente do TJSP; Souza Ribeiro, representando a presidente do TRF-3; Adalberto Martins, diretor da Ejud-2; José Edivaldo Rocha Rotondano, presidente do TRE-BA; e Regina Gláucia Cavalcante Nepomuceno, vice-presidente eleita do TRT-7.

Texto: Agnes Augusto; Fotos: Allan Lustosa – Secom/TRT-2